Bruno – Assim não dá Luis, já não me sinto amado

Luis – Amado?

Bruno – Sim… já não ouço as coisas bonitas que me faziam sentir vivo. São as coisas pequenas que mais importam.

Luis – Mas as nossas contas nunca estiveram tão bem…

Bruno – Estás a ver Luis? Estás a ver?! É sempre a mesma coisa, só o dinheiro te importa. Olha, assim não dá, acho melhor terminarmos… é melhor acabar tudo. 

Luis – Não digas isso Bruno… onde vou eu encontrar alguém como tu?

Bruno – Sei lá, procura! 

Luis – À procura já ando eu há meses e nada… 

Bruno –

Luis – Desculpa, não era bem aquilo que eu queria dizer…

Bruno – Olha, ponho o meu lugar à disposição!

(silêncio)

Bruno – É que assim não dá. Mais vale acabar já e procurares outra pessoa.

Luis – Ok… 

Bruno – Ok?!

Luis – Sim… acho que tens razão. Bruno, tu és um homem incrível…

Bruno –

Luis – … és de uma verticalidade impressionante. Um homem com “O” grande. No fundo o problema não és tu, sou eu. 

Bruno – Exacto…!!!

Luis – Só me resta aceitar a tua decisão. Dizes-lhes tu ou digo eu?

Bruno – Quero lá saber. Eu não estou capaz de falar com ninguém.

(Silêncio desconfortável. Luis sai para a conferência de imprensa e regressa minutos depois)

Bruno (com os olhos brilhantes) Então é assim?

Luis – Assim como?

Bruno – Acaba assim a nossa história? Foste logo a correr contar a toda a gente.

Luis – Então mas não era o que tu querias? Colocaste o lugar à disposição…

Bruno – Sim mas…

Luis – Agora sou eu quem não está a entender, Bruno. Primeiro fazes uma cena de ciúmes sempre que almoço com outras pessoas, depois queres acabar e agora… o que é que tu queres afinal?

Bruno – Eu disse que colocava o lugar à disposição mas não era para colocar o lugar à disposição. 

Luis – Hun?

Bruno – Podias ao menos tentar fazer-me mudar de ideias. Mostrar-te magoado. Afinal tudo aquilo que fiz por ti não contou para nada. Enchi um Marquês, Luis. Não foi Entrecampos ou os Restauradores… eu enchi um Marquês! Para agora terminar tudo assim, numa conferência de imprensa no Funchal…

Luis – Eh pá ó Bruno…

Bruno – Pára Luis.

Luis – Repara que eu quando cheguei aqui isto estava um caos. O Vale e Azevedo…

Bruno – Pára Luis, pára!!! Tu mais a tua conversa da treta. Vai lá enganar o próximo, vai…

Luis – E vou!

Bruno – És um aldrabão. És és… nunca deixarás de ser um empresário de pneumáticos com bigode!

Luis – E tu um charroco com placa dentária que não diz os “L”. Pócaralho! 

Bruno –

Luis – ´Tou, Jesus? Tenho saudades, Babe…